suicidal dream

"I’m the king of my own land
Facing tempests of dust
I’ll fight until the end
Creatures of my dreams - raise up and dance with me!
Now and forever
I’m your KING!"

-

yeeh.

(Source: ybee, via easytofuck)

Arcade Fire. 

<3

Teoria do caos

“Às vezes estamos numa rota de colisão e nem sequer sabemos. Seja sem querer ou de propósito, não há nada que possamos fazer…

Uma mulher em Paris estava indo fazer compras, mas tinha esquecido o casaco e voltou para pegá-lo. Quando ela voltou, o telefone tocou. Ela parou para atender e falou por alguns minutos.

Enquanto ela estava falando, Daisy estava ensaiando para um espetáculo no Teatro da Ópera de Paris.

Enquanto ela ensaiava, a mulher, que havia desligado o telefone, saiu para chamar um táxi, mas o perdeu.

Um passageiro tinha saltado e o motorista parou para tomar um café. Enquanto isso, Daisy estava ensaiando. E o motorista que parou para tomar café, pegou a moça que tinha ido fazer compras e perdido o táxi anterior.

O táxi parou para um homem atravessar a rua. Ele tinha saído cinco minutos mais tarde que de costume, pois não tinha posto o despertador.

Enquanto o homem atrasado atravessava a rua, Daisy tinha acabado de ensaiar e estava tomando banho. Enquanto Daisy tomava banho, o táxi esperava a mulher pegar um pacote na loja, que não estava embrulhado porque a encarregada havia brigado com o namorado na noite anterior, e esqueceu da entrega.

Quando a mulher, com o pacote embrulhado voltou para o táxi, um caminhão o havia bloqueado. Enquanto isso, Daisy estava se vestindo.

O caminhão foi embora e o táxi pôde andar, enquanto Daisy, a última a se vestir, esperava uma amiga que estava amarrando o cadarço.

Enquanto o táxi esperava o sinal abrir, Daisy e sua amiga saíram pelos fundos do teatro.

E se só uma dessas coisas tivesse acontecido de forma diferente…

… O cadarço não tivesse desamarrado; ou o caminhão tivesse saído um pouco antes; ou o pacote já estivesse pronto pois a garota não teria brigado com o namorado; ou o homem tivesse levantado cinco minutos mais cedo; ou o taxista não tivesse parado para tomar café; ou a mulher tivesse lembrado do casaco e tomado um táxi anterior…

Daisy e a amiga teriam atravessado a rua e o táxi não teria passado por elas.

Mas, sendo a vida uma série de vidas cruzadas e incidentes fora do controle de qualquer um, aquele táxi não passou direto, e o motorista teve uma distração momentânea. E o táxi atropelou Daisy, e a perna dela foi esmagada. Assim, com a perna quebrada em cinco partes, ela nunca mais voltaria a ser uma das mais belas bailarinas de todos os tempos.”

                                                                    O Curioso Caso De Benjamin Button